Resgate histórico

Construção do busto do Dr. Ozanam Coelho

Com o objetivo de resgatar a história do Poder Legislativo e do município de Ubá, a Câmara Municipal está organizando seus arquivos mais antigos, digitalizando e catalogando documentos diversos que se encontravam guardados na sede da CMU.  

Além de conservar a memória da nossa cidade, o trabalho que está sendo realizado pelos servidores da Câmara viabilizará a consulta aos materiais com mais agilidade, sendo eles uma excelente fonte de pesquisa para todos que queiram saber mais sobre a história do município e desta Casa Legislativa.

 

Construção do busto do Dr. Ozanam Coelho

 

Data do ano de 1984 a “Comissão Pró-Construção do Busto do Dr. Ozanam Coelho”, criada pela Câmara Municipal de Ubá, na gestão do então presidente, vereador Lincoln Rodrigues Costa. A comissão integrava o Movimento para homenagear o “Governador Ozanam Coelho”, lançado oficialmente em novembro daquele ano.

Integraram o grupo que trabalhou diretamente na edificação: Vereador Lincoln Rodrigues Costa (Presidente da Comissão), que faleceu pouco tempo antes da inauguração; vereador Miguel Poggiali Gasparoni (Secretário); vereador José Xavier Brandão Teixeira; vice-prefeito Mário Schiavon; Professora Climene Moreira Brum; os ex-prefeitos de Ubá, Dr. Narciso Paulo Michelli e Sr. Armando Bigonha; e o Tabelião Dirceu dos Santos Ribeiro.

O objetivo era realizar uma campanha popular e mobilizar toda a comunidade ubaense visando arrecadar fundos, coletar contribuições para que o monumento fosse construído na Praça São Januário. Contas em três agências bancárias foram abertas para esta finalidade: Bemge, Minas Caixa, Real. Muitos depósitos nominais, em cruzados, foram recebidos, sendo os comprovantes e cheques arquivados na Câmara.

Foram recolhidas também doações populares em um posto de coleta especialmente instalado para este fim, na Praça da Independência, por uma semana após o lançamento da campanha, realizado em 3 de novembro de 1985. Os valores arrecadados custearam a construção do busto, orçado em 28 mil cruzados.

O vereador à época, Miguel Poggiali Gasparoni era o secretário e representante da referida Comissão, justificou a homenagem ao lançarem a campanha: “Trata-se de movimento supra-partidário. De Prefeito a Governador de Minas Gerais, predicados não faltam ao Dr. Ozanam; suas obras são inúmeras; seus exemplos são diversos para que possamos recordar a sua figura imortal, mas acima de tudo queremos destacar a sua fiel e leal amizade, e o amor incontido pela sua Cidade e seu Estado. Todos se recordam de sua simpatia, seu sorriso, sua incansável luta pelo bem comum, seu desprendimento. Ozanam nunca permitiu que se cometesse uma injustiça, jamais perseguiu ou incentivou perseguições; em sua época de vice e de Governador de Minas, experimentamos o progresso maior e cultivamos um desenvolvimento ímpar; sentimos imensas e profundas saudades. Nosso imortal líder, Dr. Levindo Ozanam Coelho!”

O busto foi inaugurado em 17 de maio de 1986, pelo então prefeito Prof. José Bigonha Gazolla, em solenidade abrilhantada pela apresentação da Banda Sagrado Coração de Jesus, corporação presidida por Calixto Waquim; e da Banda 22 de Maio, regida pelo Maestro Gesualdo Muzitanno. A data escolhida é o aniversário de nascimento do homenageado.

Várias autoridades participaram da solenidade de inauguração, entre elas: o Ministro de Estado das Minas e Energia, Dr. Antônio Aureliano Chaves de Mendonça; o Prefeito Municipal de Ubá, Prof. José Bigonha Gazolla; o Presidente da Câmara Municipal, vereador Dr. Norton Antônio Fagundes Reis; os Senadores Dr. Murilo Badaró e Dr. Itamar Franco; Deputados Federais e Estaduais; o Presidente da Academia Mineira de Letras, Dr. Vivaldi Moreira; desembargadores, juízes, delegados, além de vários ex-ministros e ex-secretários de estado, ex-governador, prefeitos e vereadores das cidades da região, políticos, empresários e delegações de instituições com representação local.

Também estiveram presentes muitos familiares do homenageado: sua esposa, Cybele Pinto Coelho, os filhos Saulo, Cibelinha, Levindo, Izaura e Marília, sete irmãos, alguns cunhados, e vários sobrinhos e netos.

 

A iniciativa

Na semana seguinte ao falecimento do Deputado Federal e ex-governador do Estado de Minas Gerais, Dr. Levindo Ozanam Coelho, a Câmara sugeriu a construção do busto e o pedido foi endossado pelo Prefeito Bigonha Gazolla, que nomeou a Comissão Pró-Construção do Busto.

Em um ano e meio de campanha, contribuições foram arrecadadas em praça pública, outras vieram de várias partes do estado e até de fora; contribuições vultuosas foram recebidas, mas constam no livro de assinaturas doações de até cinquenta centavos de cruzados, o que demonstra o envolvimento popular com o projeto de construção do busto.

Centenas de correspondências chegaram à Secretaria da Comissão, todas recordando a dedicação, honestidade, humildade, simpatia, a incansável luta pelo bem comum e o desprendimento do Dr. Ozanam Coelho.

 

Quem foi Levindo Ozanam Coelho

Nascido em 1914, era filho de Levindo Eduardo Coelho e Antonina Gonçalves Coelho. Formou-se em Direito pela Universidade de Minas Gerais em 1936. Foi promotor público. Casou-se com Cibele Pinto Coelho em 1940 e teve cinco filhos: Isaura Maria, Cibele de Lourdes, Levindo Eduardo,Saulo e Marilia.

Na política

Herdeiro de um chefe político de prestígio, o Senador Levindo Coelho, que liderou com autoridade a política de Ubá de 1910 até a sua morte em 1961, Ozanam Coelho surge na política mineira durante o Estado Novo, com apenas 25 anos de idade, para suceder seu pai, Levindo Eduardo Coelho, na prefeitura de Ubá em 1939. Foi deputado estadual por doze anos e federal por dezessete.

Não falava com frequência na tribuna. Preferia atuar nas comissões técnicas e nas articulações de bastidores. Tinha trânsito livre em todas as correntes partidárias, o que lhe valeu a liderança da bancada pessedista na Assembleia Legislativa durante a terceira legislatura. Seus amigos da política o chamavam de conciliador, por isso. Participou da elaboração da Constituinte Mineira de 1947. Apresentou, juntamente com outros deputados, doze emendas ao projeto constitucional, sendo a mais importante delas, fundamental para a economia do Estado, a que dizia respeito à parceria do Estado com a iniciativa privada para a construção de usinas hidrelétricas. Permaneceu na Câmara dos Deputados por sete legislaturas. Em 1975, foi eleito, por um colégio eleitoral, vice-governador do Estado, na chapa de Aureliano Chaves, para o quadriênio 1975-1979.

Governo de Minas Gerais

Ozanam Coelho foi escolhido vice-governador de Aureliano Chaves por ser um político conciliador e com bom trânsito entre políticos da ex-UDN e sem atritos de maior relevância com seus companheiros do ex-PSD.

Assume o governo de Minas no período de 5 de julho de 1978 até 15 de março de 1979. Aureliano Chaves renunciou ao cargo para se candidatar à vice-presidência da República, na chapa do general João Batista Figueiredo.

Para Ubá

Ozanam Coelho se dedicou à elaboração de projetos que atendiam suas bases eleitorais, principalmente as de Ubá; com ênfase para as questões municipais; pedidos de liberação de subvenções; e assuntos ligados a interesses específicos de entidades assistenciais.

 

Fonte: VAZ, Alisson Mascarenhas. Ozanam Coelho, o conciliador-uma biografia política. Belo Horizonte: Têmpora, 2001.

registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis. Os comentários são moderados