Você está aqui: Página Inicial / Ouvidoria / Saúde mental

Saúde mental

“ História pra boi acordar” Alô alô cidade de Ubá… Conheci o CAPS II em meados de 2016. Este mantinha uma longa parceria entre a Prefeitura Municipal de Ubá e uma Cooperativa, nesta ocasião estava tudo muito fragilizado. Pelos relatos o serviço “tinha trocado de equipe” . Bem, fui saber ao certo o que tinha ocorrido e assim se deram os fatos: Uma “dama” que comandava um grupo de fiéis “súditos” tinham deixado essa instituição e claro, a cooperativa que faziam parte após arquitetar sigilosamente e embarcar em um outro projeto(que por sinal já havia sinais de “imoral” desde a idealização, a começar por uma ‘licitação favorável” a uma associação fundada na calada da noite, contado com “ facilitadores na gestão passada). Pasmem​!! O CNPJ encontrava-se na residência dessa tal ”dama” que dizia não saber desta associação...como pode??) Projeto este que teve como parte da idealização uma outra figura que por vezes participava das reuniões sigilosas para a fundação da tal associação dentro da instituição que seria boicotada futuramente...mas vamos deixar essa figura para ser flexível ao descortinar dos fatos , uma vez que foi peça chave na articulação do caos na Saúde Mental Municipal. Voltando lá em 2016 onde tive contato com uma equipe e usuários fragilizados por todo esse alvoroço, mas quem aos poucos foram se tornando cada vez mais preparados e assim em junho deste ano de 2017, essa equipe teve uma saída “forjada” e súbita por uma decisão tendenciosa ( lê-se fomentada por muitos interesses próprios, vaidade, cobiça e outros desdobramentos que ainda vamos entender um pouco melhor com descrição da figura “articulada” que citei no começo) tenho imensa gratidão por essa equipe pois vi uma construção de vínculos verdadeiros com usuários( diga-se passem fui até o serviço a procura de apoio na rede de atenção psicossocial) Equipe integra, transparentes, dedicada que não se deixou levar pelo assédio por parte dessa figura mentirosa disfarçada de imparcial, que por exercer um cargo “ de confiança” se achava no direito de boicotar o serviço prestado. Essas pessoas que formavam a equipe são pessoas guerreiras​,com capacidades que não se limitam a conhecimentos teóricos ou técnicos e sim capacidade de se colocar no lugar do outro e ver a fragilidade humana sob a ótica da saúde mental, respeitaram a integridade do usuário não sendo negado a eles o direito pelo acolhimento e quando foi preciso, não negaram atendimento e de forma humanizada receberam aos que com algum tipo de sofrimento procuraram sanar as suas dores.Foram além dos próprios julgamentos e sem precisar USAR os usuários( sim...pois é isso que outro serviço da cidade faz por meio da manipulação e exploração dos usuários para marketing na venda de produtos confeccionados muita das vezes pela própria equipe quando não sob pressão, o usuário, em oficinas de produção e não como a principal finalidade que seria terapêutica. Coagindo a falar em nome da instituição inverdades sobre o serviço. Enquanto tantos outros precisam de suporte técnico e institucional não conseguem ter pois lá não é lugar para eles. Ficando em sofrimento e situações de risco para si e para terceiros ) . Neste meio tempo a equipe e o serviço do CAPS II foram alvos de denúncias “anônimas ”, difamação na rede pública de fatos que não aconteciam no cotidiano pois em outros pontos da rede quem não os conheciam acreditava em boatos(também fazendo parte desse processo quem? A tal figura…Mas era compreensível né? Ela de alguma forma era parte integrante da equipe anterior a qual era regida pela”dama”e tinha um apreço pela saúde mental municipal ao ponto de verbalizar outrora o desejo de ter uma associação local de saúde mental e assim banir um cooperativa que presta serviços de saúde mental na cidade há 19 anos, que somente com a saída de alguns “começou” a apresentar problemas, será porque né? O curioso é que nos anos que essa figura fazia parte da cooperativa, a instituição não apresenta tantos problemas assim como os que por ela foram apresentados como argumento para o xeque mate de seus projetos ardilosos.Essa figura que mantinha tanto apreço por tais intenções naquela época,e por algum tempo, até ocupou o cargo de confiança e ao mesmo tempo prestou serviços na instituição...E a carga horária incompatível? Um corpo ocupa dois espaços simultaneamente?) Por falar nessa figura...que se dedicou de corpo e alma a uma perseguição implacável por “ erros” nos processos de cumprimento de um contrato defasado por ela mesma pelo simples fato de “ cobiça” ao poder , de se ter em mãos a chance de chegar ao êxito de seus propósitos, quanto a desonestidade ao que se refere em âmbitos burocráticos como ocultação de informação , intermédios em processos judiciais desnecessários, informalidade em pedidos para não ser visível no ramo hierárquico, repasse indevido de informações equivocadas para prejudicar o serviço. Enfim...descrições acho que redundantes para alguém cujos os atributos principais são : linha tênue entre a perversão e a esperteza, desvio de conduta, falta de ética( primordial nos âmbitos da psicanálise) , movidos pela cobiça, vaidade. Por vezes tentaram a equipe do CAPS II tentou impedir que isso se consumasse e foram vistos por uma gestão municipal que se quiser foi apurar os fatos, e de longe foram taxados pelos mesmos como negligentes,e despreparados( ora….logo como foram fazer isso?? Contando com a lábia de alguém que fazia questão de deturpar fatos para prejudicar?) E assim para impedir os avanços que eram atingidos a cada dia , o jeito encontrado,era mostrar a uma gestão omissa um plano “infalível”, porém fadado ao equívoco de muitos que embarcaram nesse devaneio sórdido. Uma vez que citou-se “pré- ocupação” com os usuários sem ao menos ter feito uma preparação tanto no âmbito da capacitação da equipe, que foi “ convocada” e “ retirada” de outros setores públicos já desfalcados, para assumir funções sem um prévio aviso na “municipalização”, quanto no resguardo da integridade dos usuários que se sentiram inseguros sob a sensação abandono por parte da equipe que já os acompanhavam. Seja na conduta técnico , seja na conduta irresponsável da possível desestabilização emocional ( pra quem não sabe, há mais ou menos um ano e três meses quando a “ equipe antiga “ deixou a instituição foram muitos os quadros de usuários desestabilizados por conta da saída repentina... relembrando que saíram pois foram descobertos como contei lá no início). Resumindo… não existe uma visão somente nesta história e todos que conhecem os personagens sabem que aqui só falei verdades... e ainda haverá muitos desdobramentos. Uma alerta... cuidado pois essa rede de atenção psicossocial de rede, está virando teia… Apurar os fatos fica até intrigante, pois chega a ordem do absurdo de ser “ tampando o sol com a peneira” Mas se realmente querem uma transparência não somente em um portal de internet, precisa ser feito! E tenho dito!

: 22/06/2017 22h52
: Denúncia
: Administração
: 20170622225223
: Pendente

Respostas

Ainda não existem respostas para esta solicitação.

Arquivos anexados

Esta solicitação ainda não contém nenhum arquivo anexado.

Ações do documento

Acesso à Informação

Portal da Transparência



Tv Legislativa


Jornal O Legislativo


Álbum de Fotos da Câmara Municipal de Ubá


Centro de Atenção ao Cidadão


Escola do Legislativo


Projetos Institucionais


CPI Crise Hidrica1.jpg

Documentos Antigos

Sos Desaparecidos

LexML

Mídias Sociais

Facebook Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal. Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.